Crítica: Toda Forma de Amor


“Six months later, my father told me he was gay. He had just turned 75. I always remember him wearing a purple sweater when he told me this but actually he wore a robe.”

Passando totalmente despercebido pelos cinemas brasileiros, Toda Forma de Amor foi lançado em Novembro do ano passado em DVD aqui no Brasil. Na verdade, tive conhecimento do filme, quando o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante, no Globo de Ouro, foi entregue a Christopher Plummer pela sua atuação. Não que eu leve essa premiação muito a sério, mas não há como negar que fiquei curioso em assistí-lo.

O filme aborda três momentos da vida de Oliver Fields (interpretado por Ewan McGregor), sua infância que passou ao lado da mãe, enquanto seu pai (Plummer) se fazia pouco presente, anos mais tarde, quando seu pai descobre ter um câncer terminal e revela a Oliver que é homossexual e depois, como lida com a morte de seu pai e um provável romance, além de cuidar do cachorrinho órfão que ganhou como herança. As três fases da vida de Oliver são apresentadas simultaneamente, portanto não se preocupe, não revelei nenhum spoiler e você constatar isso no trailer.

Muito bem escrito e dirigido por Mike Mills (seu segundo filme, o primeiro foi Impulsividade – lançado em 2005), o filme trata os temas com certa leveza e naturalidade, difíceis de se encontrar ultimamente, como por exemplo a cena em que Oliver é paquerado pelo namorado do pai. Mas o mais impressionante, foi como Oliver redescobriu o amor – ou não – ao lado de Anna (interpretada por Mélanie Laurent) e como ele discute certas situações desse novo relacionamento com seu novo fiel companheiro Arthur , o cachorro, as conversas dos dois são impagáveis.

O romance entre os dois é marcado por conflitos passados de ambas as partes, nenhum deles conseguiu emplacar uma relação por muito tempo e acabam desistindo de tudo, pelo simples fato que não vai dar certo. Os detalhes apresentados no roteiro são tão ricos em informação, que uma cena que você poderia achar deslocada, no início do filme, pode ser bastante útil para mostrar características de Oliver e de seu comportamento frente a relação que ele possui com Anna. Na verdade, posso resumir a história em uma única frase: Um filme sobre nunca desistir de encontrar um amor.

Foi uma grata surpresa, recomendo à todos que desejam assistir a um filme sem compromisso de quebrar tabus.

Toda Forma de Amor: ****
Beginners (2011). Direção: Mike Mills. Elenco: Ewan McGregor, Christopher Plummer e Mélanie Laurent.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s