Crítica: Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres

“It was then that I noticed Harriet wasn’t there. And she wasn’t there the next morning, or the next, or the next 40 years.”

Terminei de ler o livro hoje pela manhã e fui correndo para a primeira sessão do filme aqui em Porto Alegre. Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres já me tirava o sono a algumas noites, com um mistério quase insolúvel. O ritmo lento do livro, abre espaço aqui para um diretor competente (David Fincher), transportando para a tela grande o excelente roteiro escrito por Steven Zaillian (o mesmo de A Lista de Schindler e Gangues de Nova York).

Após ser alvo de uma armadilha, o diretor-chefe da Revista Millennium, Mikael (Daniel Craig) é obrigado a se retirar por um tempo, sendo então convidado a trabalhar para a família Vanger, com o objetivo de escrever uma biografia de Henrik (interpretado por Christopher Plummer – bastante convincente no papel), mas que na verdade era para descobrir o sumiço de sua sobrinha Harriet, cujo assassinato continua envolto a um mistério há quarenta anos. Conta com a ajuda da hacker problemática Lisbeth (interpretada por Rooney Mara – indicada ao Oscar de Melhor Atriz pela sua atuação nesse filme), que com suas habilidades tecnológicas, descobrirá que na verdade, estão a procura de um assassino em série.

Obviamente é impossível transpor todas as idéias de um livre, para dentro de um filme, mas considero os diversos cortes na história, bastante aceitáveis para o bom desenrolar da história. E não só isso, Fincher ainda presenteia os fãs da trilogia (sim, é uma trilogia) com um desfecho, um pouco diferente do que seria o esperado. Na verdade o ritmo lento do livro, trata-se justamente na exposição de cada personagem (suas aflições, seus porques, suas histórias – que no filme, isso não possui espaço), deixando aqui um suspense mais intrigante e com velocidade – do início ao fim.

E se falarmos em aspectos técnicos, o filme ganha louvores. Primeiro pela excelente fotografia – indicada ao Oscar – de Cronenweth (Clube da Luta/A Rede Social), que nos mostra duas Suécias – a do inverno dos tempos atuais e a da primavera dos flashbacks. A edição ágil também foi reconhecida com a indicação ao Oscar de Melhor Montagem, além de melhor som.

Essa é a segunda versão para o cinema, do livro original de Stieg Larsson, a primeira foi uma produção mais “contida” sueca. A versão de Fincher é por vezes mais ousada, ao mostrar por exemplo, uma das cenas de estupra mais perturbadores que já assisti, mas deixa de fora algumas outras como os abusos pedófilos, de um dos integrantes da família Vanger.

Uma excelente adaptação para o cinema de um dos melhores Best-Seller policiais que já li.

Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres: *****
The Girl with the Dragon Tattoo (2011). Direção: David Fincher. Elenco: Daniel Craig, Rooney Mara e Christopher Plummer. 

Os 11 Melhores Filmes de 2011, segundo Quentin Tarantino

O site do diretor Quentin Tarantino oficializou, hoje, a lista dos melhores e piores filmes de 2011, segundo o mestre. Confira logo abaixo:

Top 11 Oficial de 2011 de Quentin Tarantino

1. Meia-Noite em Paris
2. Planeta dos Macacos: A Origem
3. O Homem que Mudou o Jogo
4. A Pele que Habito
5. X-Men: Primeira Classe
6. Jovens Adultos
7. Ataque ao Prédio
8. Red State
9. Guerreiro
10. The Artist / Nosso Irmão Sem Noção – Empate
11. Os Três Mosqueteiros

E os Piores Filmes…
Sucker Punch – Mundo Surreal
Potiche – Esposa Troféu
Miral
Sobrenatural
Rampart
Straw Dogs
Atividade Paranormal 3
Meek’s Cutoff

Porto Verão Alegre

Começa amanhã o Porto Verão Alegre, uma das maiores (se não a maior) mostra de teatro da capital gaúcha. São diversas peças em cartaz até 16/Fevereiro, em praticamente todos os teatros da cidade, com preços populares que variam de R$ 20 (antecipado) e R$ 25 (na hora), tendo descontos para a maior idade e sócios do Clube do Assinante Zero Hora. E nesse ano ainda conta com mostras de artes plásticas, literatura, cinema e mais. Consulte o site do evento: http://www.portoveraoalegre.com.br 

Cinema – Ranking 2011

Confira abaixo os 10 filmes com maior faturamento nos cinemas americanos em 2011.

Posição Filme Estudio Arrecadação / Salas Arrecadação na Inauguração / Salas Estréia
1 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 WB $381,011,219 4,375 $169,189,427 4,375 15/Jul
2 Transformers 3 – O Lado Oculto da Lua P/DW $352,390,543 4,088 $97,852,865 4,088 29/Jun
3 Amanhecer – Parte 1 Sum. $276,095,000 4,066 $138,122,261 4,061 18/Nov
4 Se Beber não Case 2 WB $254,464,305 3,675 $85,946,294 3,615 26/Mai
5 Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas BV $241,071,802 4,164 $90,151,958 4,155 20/Mai
6 Velozes e Furiosos 5 Uni. $209,837,675 3,793 $86,198,765 3,644 29/Abr
7 Carros 2 BV $191,452,396 4,115 $66,135,507 4,115 24/Jun
8 Thor Par. $181,030,624 3,963 $65,723,338 3,955 06/Mai
9 Planeta dos Macacos – A Origem Fox $176,711,822 3,691 $54,806,191 3,648 05/Ago
10 Capitão América: O Primeiro Vingador Par. $176,654,505 3,715 $65,058,524 3,715 22/Jul

O Melhor e o Pior do Cinema em 2011

Confesso que achei o ano de 2011 um pouco morno, no que diz respeito a sétima arte. Assisti muitos filmes pela metade e outros parei nos primeiros vinte minutos. Mas é claro, que no meio de muita besteira, existem os filmes interessantes e surpreendentes. Vamos a minha lista:

Melhor Filme de 2011: A Pele que Habito
Após o suicídio de sua esposa, um cirurgião plástico fica obcecado em criar um tipo de pele resistente a qualquer tipo de agressão e queimaduras. Para isso, ele terá que contar com uma cobaia humana.
Já havia assistido ao trailer, e achei que seria um filme totalmente diferente do estilo habitual de Almodóvar, mas em menos de 10 minutos o filme já estava me surpreendendo, ora pelo roteiro sensacional, ora pela fantástica atuação de Antonio Banderas.

Pior filme de 2011: Capitão América – O Primeiro Vingador
Steve Rogers se voluntaria para participar de um programa experimental que o transforma em um super soldado conhecido como Capitão América.
Eu vou deixar esse como o pior filme do ano, pois muitos outros eu não assisti até o final, e não acharia justo, mas me perdoem se vocês são fãs do filme. Eu cresci vendo e lendo as histórias do Capitão América, mas nunca fui um grande aficionado pelo herói. O que fizeram com esse filme, foi de extremo mal gosto, cenas óbvias demais, sequencias de ação que não empolgam e atuações medíocres.

Filme que me surpreendeu:  Melancolia
Casal esta celebrando seu casamento em uma festa suntuosa na casa da irmã da noiva. Enquanto isso, o planeta Melancolia está se dirigindo em direção à Terra.
Poucos comentários positivos me intrigam em querer assistí-lo e me surpreendi. A fotografia é uma obra a parte. Esse filme se tornou um dos meus preferidos do diretor Lars von Trier. As atuações são envolventes e o que mais gostei, foi que a aflição de cada personagem é revelada gradativamente, de acordo com a narrativa. Recomendo.

Melhor trailer de um lançamento de 2012: O Hobbit 
Espero por Batman, ansiosamente, mas o trailer de O Hobbit me fez chorar (confesso). Primeiro, pela sensação nostálgica da Terra Média, que eu já estava com saudades, e segundo por ouvir uma canção cantada pelos hobbits (totalmente esquecida na trilogia do Senhor dos Anéis). Quero ir na estréia, pena ser somente no final de 2012. Ah! E o melhor, esta sendo filmado em 3D, não será uma conversão “barata” no pós produção.

A Melhor Música de 2011

Muitas músicas marcaram 2011, mas se teve uma que realmente me deixou empolgado e escutei inúmeras vezes, foi Every Teardrop is a Waterfall do Coldplay. Confira abaixo, o vídeo da música e a letra. Chris (Martin, vocalista e principal compositor da banda) se inspirou para escrever a canção após assistir o filme ‘Biutiful’.

I turn the music up, I got my records on
I shut the world outside until the lights come on
Maybe the streets alight, Maybe the trees are gone
I feel my heart start beating to my favourite song

And all the kids they dance, all the kids all night
Until monday morning feels another life
I turn the music up
I’m on a roll this time
And heaven is in sight

I turn the music up, I got my records on
From underneath the rubble, sing a rebel song
Don’t want to see another generation drop
I’d rather be a comma than a full stop

Maybe I’m in the black, Maybe I’m on my knees
Maybe I’m in the gap between the two trapezes
But my heart is beating and my pulses start
Cathedrals in my heart

As we saw oh this light I swear you, emerge blinking into
To tell me it’s alright
As we soar walls, Every siren is a symphony
And every tear’s a waterfall
Is a Waterfall
Oh
Is a Waterfall
Oh Oh Oh
Is a, Is a Waterfall
Every tear
Is a Waterfall
Oh Oh Oh

Propaganda de Final de Ano RBS

Assim como a Companhia de Supermercados Zaffari, outro grande comercial aguardado pelos gaúchos é o do Grupo RBS de televisão.

Este ano a campanha de Final de Ano do Grupo RBS traz uma releitura da música-tema Vida na voz de diversos artistas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Participaram das gravações Armandinho, Bluegrass, Claus e Vanessa, Dazaranha, Duca Leindecker, Dudu do Banjo, Guga Kuerten, Rô Conceição, Thedy Corrêa, Valdir Agostinho, Yamandu Costa e Zé da Folha. Além dos artistas, 78 colaboradores e filhos, vindos de diversas cidades do RS e SC, foram reunidos para a gravação da cena final do filme.

O Filme do Lilinho – Comercial da Panvel

 

O Rio Grande do Sul esta se mostrando um estado com excelentes propagandas de televisão, vocês não acham? Confiram abaixo o comercial da Rede de Farmácias Panvel – O Filme do Lilinho.

Lançado em outubro de 2011, resgata os laços de amor e carinho que todos nós temos com quem amamos. No elenco, Leonardo Machado (pai), Nina Moraes (mãe) e Amábile Wessler Comandolli (filha). Produção: Mínima. * Filme baseado na crônica de José Pedro Goulart, publicada no livro “A voz que se dane”, Editora L&PM. Criação e Direção: José Pedro Goulart